352
Publicado por cursosarianenovello Time 28 setembro 2017

Olá, moças e moços!

Eu sempre costumo falar nos meus cursos sobre como a micropigmentação deixa as mulheres mais bonitas, com o rosto mais harmonioso e sobre como as técnicas mais atuais proporcionam um efeito cada vez mais próximo ao natural. Mas uma coisa tem me deixado preocupada, há muito tempo e hoje vou te contar sobre como os erros cometidos nos procedimentos podem afetar uma parte muito sensível do ser humano: a autoestima.

Ao longo de 13 anos atuando no ramo da estética e da micropigmentação, fazem cerca de 8 anos que me especializei, também, em correções de trabalhos malsucedidos. No início da minha carreira, fui percebendo uma crescente procura por correções, em virtude de trabalhos antigos de maquiagem definitiva, feitas com os métodos de tatuagem. Estes métodos sofrem oxidação e mudam de cor. Com o passar do tempo, na maioria dos casos, os procedimentos se alteram para tons acinzentados ou azulados, muitas vezes com grandes assimetrias, afinal, naquela época não se fazia nenhuma análise e medição das proporções do rosto para criar um design adequado.

 

Abaixo você pode ver exemplos de maquiagem definitiva e sobrancelhas feitas com os métodos antigos de tatuagem.

Sobrancelhas feitas com os métodos antigos de tatuagem.Maquiagem definitiva e sobrancelhas feitas com os métodos antigos de tatuagem.

 

Até aí tudo certo! A evolução constante faz parte da modernização do nosso trabalho e novas técnicas vão surgindo. Desta forma, as técnicas vão sendo aprimoradas com o passar dos anos e com os novos estudos feitos nessa área.

 

O que preocupa é que nos últimos tempos a demanda de profissionais migrando para esta área aumentou consideravelmente. Este aumento fez com que os problemas e inadequações estéticas também venha aumentando, a uma velocidade que impressiona os profissionais mais comprometidos com a qualidade dos resultados apresentados em cada procedimento. Esta banalização da profissão vem causando um prejuízo enorme que influencia diretamente no amor próprio das clientes.

 

Muitas vezes, profissionais despreparados causam danos severos como este que você pode ver na imagem abaixo. Neste caso, o pigmento atingiu os canais lacrimais, causando um vazamento interno com manchas enormes no rosto da cliente.

Canais lacrimais atingidos durante um procedimento inadequado de micropigmentação

Mas por que esse tipo de problema continua acontecendo, se as técnicas são cada vez melhores?

 

A maioria dos cursos de micropigmentação disponíveis no mercado duram de 2 a 4 dias.

 

Agora reflita comigo: é possível formar um médico, um professor, um advogado ou um terapeuta dentro de 2 a 4 dias? Você acha possível formar um profissional com conhecimentos teórico e prático suficientes para lidar com as intercorrências mais comuns ao seu trabalho? E, especialmente, com conhecimento sobre biossegurança e sobre todo o funcionamento do organismo envolvido nesse processo? Se você acha que não, você acertou!

 

É assim que desencadeia uma enorme demanda de pseudo-profissionais oferecendo um serviço “meia-boca”, totalmente despreparados para lidar com os efeitos psicológicos causados nas pessoas. É preciso entender que a micropigmentação não é a “galinha dos ovos de ouro”, como muitos iniciantes pensam e, por isso, entram para essa área. Um único curso não é suficiente. Dois cursos, três, quatro, também não são! Se você quer realmente ter sucesso nessa profissão, você precisa se atualizar constantemente, se especializar em diferentes técnicas, levar muito a sério a responsabilidade de lidar com a visão de beleza que os seus cliente têm sobre si mesmos.

 

Ao entrar para o universo da micropigmentação, você precisa ter em mente que um resultado bom ou ruim afeta diretamente no bem maior que uma pessoa precisa ter sobre si: a autoestima. Um resultado inadequado, sendo no rosto de um cliente, não tem como ser escondido. É aí que inicia-se uma série de medos e inseguranças nos clientes. Ao se olhar no espelho, essa pessoa vai enxergar os erros de um procedimento malfeito e vai criar inúmeros pensamentos ruins sobre si, vai se sentir feia e pode, inclusive, ser alvo de comentários negativos ou até mesmo bullying. Imagine-se na pele dessa pessoa… Como você se sentiria ao se olhar no espelho e se deparar com uma sobrancelha torta ou com uma cor extremamente artificial, diferente dos fios naturais?

 

Como você se sentiria ao se olhar no espelho e ver resultados como os das imagens abaixo:

Contorno de lábios feito com técnicas inadequadas de micropigmentação

Nestes anos todos de experiência vivenciei tantos casos assim, quase que diariamente, com pessoas completamente abaladas. Muitas vezes, fui procurada por clientes aos prantos, pedindo para que eu corrigisse esses trabalhos, se sentindo feias, algumas delas até com traumas irreparáveis. Em alguns casos mais sérios, as clientes nem mesmo tinham coragem de passar novamente por um procedimento de micropigmentação, tamanha insegurança que criaram ao entregar os seus rostos a profissionais despreparados.

 

Então eu pergunto: esse deveria ser o resultado de uma micropigmentação? Você acha que está tudo bem se algumas pessoas saírem de um procedimento se sentindo assim? Você acha normal ouvir reclamações, o tempo todo, com o nome do profissional que atendeu determinado cliente?

 

Falar disso me faz levantar outra questão muito importante. O profissional micropigmentador precisa, literalmente, ser um artista! Mas não basta se auto-nomear artista. Você precisa desenvolver constantemente o seu lado artístico, o seu feeling estético, o seu bom gosto e, especialmente, os seus ouvidos. Isso mesmo! Você precisa saber ouvir o que o seu cliente quer, o que ele gosta e o que não gosta, criar algo personalizado e que se encaixe em cada detalhe que ele contou para você. É necessário que você esteja capacitado para desenvolver um trabalho único, exclusivo e perfeito para cada cliente.

 

Corrigir trabalhos malfeitos, com técnicas obsoletas exige preparo e muita dedicação, para que suas clientes tenham confiança em você. É necessário ter condições de desfazer um trauma tão grande e entregar um resultado jamais sonhado.

Trabalho de remoção a laser, feito na Clínica Ariane Novello. Após algumas sessões, podemos repigmentar a pele da cliente

Esteja ciente de que para proporcionar um resultado perfeito, você precisa saber analisar os fios naturais, identificar a sua coloração, perceber a curvatura natural dos fios e criar algo idêntico, entender sobre fixação de pigmentos e colorimetria, compreender como acontece o processo de cicatrização, entre muitos outros detalhes… Você acha que é possível aprender tudo isso em um curso de 2 a 4 dias, como eu disse antes, especialmente se você estiver começando agora, e oferecer um trabalho digno de todos os elogios possíveis? Eu tenho certeza que não… Se eu dissesse que é possível, estaria mentindo para você e jogando pela janela todos os anos de dedicação e estudos que tanto eu quanto muitos outros profissionais renomados já investimos em nossas carreiras. Não há uma fórmula milagrosa para você se lançar nesse mercado e já sair conquistando a admiração dos clientes. Conhecimento é o caminho!

 

Outro ponto muito importante é você não cair na tentação de pegar um molde pronto, ou até mesmo um formato único, e fazer um desenho padrão em todos os rostos. Cada pessoa tem proporções diferentes e um desenho ajustado a estas proporções pode determinar o sucesso ou o fracasso dos seus trabalhos. Fique atento a isso!

 

Para finalizar o nosso papo de hoje, deixa eu te contar quais são as técnicas de correção mais comuns que um profissional de gabarito precisa dominar:

– Despigmentação química: realizamos a remoção com ácidos, em várias sessões.
– Neutralização: procedimento que modifica a cor de uma sobrancelha, transformando no marrom adequado.
– Camuflagem: com pigmentos adequados à cor da pele, camuflamos resíduos de pigmentos azulados claro ou cinza. Esta técnica exige um altíssimo nível de conhecimento em colorimetria.
– Remoção a laser: atinge-se o resultado através de várias sessões, onde o laser desfragmenta as moléculas do pigmento. Assim, o pigmento é fagocitado e eliminado pelo organismo.
– Reestruturação de desenho: neste caso, o visagismo é rei! É necessário fazer um estudo minucioso das medidas e proporções de cada rosto e readequar o design.

 

Muitos casos são difíceis de corrigir, uma vez que depende de uma série de fatores: tipo de pigmento utilizado, profundidade de implantação, processo inflamatório, entre outros. Ao realizar uma micropigmentação, você precisa estar ciente de que é um processo permanente, que dura anos e modifica o rosto das pessoas.

 

Para ser um micropigmentador diferenciado e de excelência, é preciso entender o posicionamento de cada fio, as conexões, os acabamentos, entre diversos outros fatores, e isso definitivamente não se aprende assim tão rápido.

 

É preciso investir muito na profissão, na sua qualificação, em materiais e equipamentos de boa qualidade, fazer muitos treinos em pele artificial, até que você tenha a segurança necessária no que está fazendo. Nunca é demais investir em estudo para, finalmente, ter o rendimento justo que a profissão tem o potencial de oferecer. Só assim eu vejo como justo: você buscar as melhores técnicas, os melhores cursos, investir alto na sua profissão para ter um bagagem de conhecimento para oferecer um trabalho digno e de excelência, que é o que cada ser humano merece, e aí sim, como consequência, ser bem remunerado por isso. A colheita sempre vem para quem planta com cuidado, carinho e dedicação.

 

E então, minhas moças e moços… Vocês gostaram dessas dicas?

 

Deixo aqui o convite para vocês compartilharem comigo os seus maiores sonhos para a sua carreira na micropigmentação. Comente abaixo com suas dúvidas e com suas sugestões de temas para os próximos posts.

 

Um super beijo e fiquem ligados, que vem muito conhecimento bacana pela frente aqui no blog. 😉

 

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

 

 

352